Edna Loureiro

Penumbra

Ainda não é meia-noite. Não estamos perdidos na penumbra que outrora consumiu o dia. Ainda há luz. Espelha-se pelas árvores, pelos animais nocturnos que aparecem devagar...

Continue reading...

Medo

O frio do medo onde me recolho acolhe-me. Vastas pingas enfurecem a janela torvam a visão do que vejo lá fora. É dia, mais parece noite....

Continue reading...

Vilcieni

Quero ir para casa, penso. Essa casa naquele país solarengo que pensei que não amava. Quero ir para casa. Chega. Não quero mais viagens. Não quero...

Continue reading...

Pai

Enquanto a minha mãe começava a acender todas as luzes da casa, a acordar-nos devagar com a preocupação na voz, o meu irmão ainda a deter-se...

Continue reading...

Diário

Eu ainda era uma criança. Mas olhava as fotografias dos meus pais como se nunca mais os fosse voltar a ver. Era uma criança com uma...

Continue reading...

Isabel

Isabel está perdida. E não existe medo maior do que esse. Do que a incerteza de não ter um lugar para onde ir. De que a...

Continue reading...